1964 / Brasil
A Bossa Moderna de Luiz Henrique
Philips / LP 1964 / Brasil

01 – Vou Andar Por Aí (Newton Chaves)
02 – Sambou Sambou (João Mello / João Donato)
03 – Tóc-tóc (Luiz Henrique)
04 – Minha Terra (Luiz Henrique) — Itaguaçú (O. Melo Filho)
05 – Samba Skindim (Luiz Henrique)
06 – Se Amor É Isso (Luiz Henrique)
07 – Balanço do Mar (Zil Rosendo)
08 – Paz de Amor (Luiz Henrique)
09 – Da Cor do Pecado (Bororó)
10 – Vagamente (Roberto Menescal / Ronaldo Bôscoli)
11 – Amor de Nós Dois (Luiz Henrique)
12 – Garota da Rua da Praia (Luiz Henrique)

 

Voz e Violão - Luiz Henrique

Baixo - Manuel Gusmão

Bateria - Dom Um Romão

Performer - Copa Trio

Trombone - Raul De Souza

De Florianópolis, Santa Catarina, um dos mais pitorescos recantos do Brasil, veio o moço Luiz Henrique. Nada mais trazendo que seu violão, sua inspiração e seu talento enorme. Aconteceu então de “Duplo-Compacto”, um disquinho bem feito que chegou fácil ao conhecimento popular. Principalmente em capitais sulinas, sua principal composição “Garota da Rua da Praia”, assomou à cabeça de várias vendagens bem sucedidas.

 

E que mais consagrador que saber-se o autor de música romântica das mais inspiradas, a diferente “Se Amor é Isso”. Não ficou aí só seu talento de compositor. Cá neste LP, temos uma amostra da boa qualidade de seus trabalhos, como “Tóc-Tóc” (cuja versão inglesa revela a versatilidade do cantor), “Paz do Amor” e “Amor de Nós Dois”, além de outras.

 

Quanta gente boa tem dado “mãozinhas” na ainda recente carreira artística de Luiz Henrique. Talvez o maior de todos os seus incentivadores a “fans” seja seu pai, o “Seu Loló” que sempre acha a solução exata para todos os seus problemas. Era impossível, portanto, omiti-lo destas linhas.

 

Uma das músicas aqui gravadas fala de uma das mais bonitas praias sulinas, a florianopolitana Itaguaçu.

 

Compositor, violonista e intérprete, Luiz é promessa em vias de concretização. Estilo moderno, “bossa” supe-rnova, há em todos os seus momentos um toque pessoal que caracteriza inevitavelmente, o que é raro em cantor novo.

No mais, é registrar sua temporada carioca na buate “Baccarat”, com grande sucesso, num “show” original e bem cuidado.

No momento, prepara-se para estrelar um filme de curta metragem baseado em suas composições e sua voz. O resto é futuro otimista.

Célio Martins gravou o LP; Sylvio Rabello supervisionou o som; Mafra fotografou; Paulo Breves foi o “layout-man” e Armando Pittigliani produziu.

 

         © 2015 By Raulino Rosa

  • w-facebook
  • YouTube Clean